As Obras dos Anônimos

AS OBRAS DOS ANÓNIMOS

 

Querer que o nome seja um destaque na sociedade é um desejo de muitas pessoas, isto é um facto desde a antiguidade. O rei Saul passou a ter inveja de Davi quando o povo aplaudiu Davi em coro dizendo: “Lá vem Saul que matou milhares, mas vem Davi que matou dez milhares”, a partir deste momento, Saul foi possuído de inveja porque viu que o nome de Davi sobressaía acima do seu nome e assim tem sucedido como um cancro na vida de muitas pessoas.

Para que os nomes ficassem à frente da história, alguns famosos do passado edificaram monumentos, estátuas para que o seu nome não fosse apagado com as cinzas do tempo.

É muito importante ter o nome nos Anais da História, mas é muito melhor estar registado no Livro da Vida. Alguns deixaram a sua história chancelada com o seu carimbo nominal, outros macularam com o seu prório nome que o condena, entre estes, muitos deixaram suas obras como rasto de um grande herói ou heroína, porém, seus nomes foram tirados da lista das estrelas terrenas para brilhar com o sol da justiça lá na Glória.

Quando olhamos para o Coliseu de Roma, ficamos estupefactos com o grande monumento, o mais visitado de Roma e um dos mais visitados do mundo, com uma arquitectura invejável, que já foi uma das sete maravilhas do mundo antigo, construído entre os anos 70 a 90 d.C. foi inaugurado pelo Imperador Tito, com capacidade para 50.000 pessoas, na inauguração dos 100 dias foram mortos 11 000 animais e 10 000 gladiadores.

Mas quem foi seu arquitecto?

Pergunta que ficou sem resposta por 17 séculos.

Os historiadores falaram tudo ou quase tudo sobre o Coliseu menos sobre o seu arquitecto. Mas por quê isto?

Por que no dia da inauguração do famoso Anfiteatro, o Imperador fez um discurso para abertura da grande festa, honrando o famoso arquitecto, mas logo a seguir o arquitecto ao agradecer as honrarias indentifica-se como Gaudêncio e Cristão, isto foi o suficiente para que naquela hora fosse condenado à morte apagando o seu nome da memória dos historiadores de Roma. Se isto é negado por um dos mais renomados historiadores desta ocasião, o mesmo fala dos pormenores de acontecimentos, menos de Gaudêncio.

A obcessão pelo destaque do nome transformou-se numa arma mortal nas mãos dos demónios para destruição das pessoas. Alguns homens do passado como o citado imperador, querendo acentuar a importância do seu nome, desejou assentar-se na cadeira de Deus cf. Ez: 28,2. Copiando Satanás, alguns reis como os Césares auto se divinizaram para ostentar o seu nome, sem reconhecer que o único nome que ocupa o cimo de todos os nomes, é Jesus o Cristo, Fl 2:9,10

O profeta Eliseu costumava ir a Sunem (que significa lugar de repouso) certamente para descansar com o seu moço. Lá se encontrava uma mulher rica, anónima, que pôs no seu coração o desejo de conceder o repouso ao homem de Deus fazendo cinco doações:

1º - Um quarto;

2º - Uma cama;

3º - Uma mesa;

4º - Uma cadeira;

5º - Uma lamparina.

Era tudo o que o profeta precisava para algumas férias, isto significa que Deus não prepara somente a viúva pobre como foi o caso de Elias. A obra desta mulher marcou a sua história que é lembrada até hoje, porém, não sabemos o seu nome. Jesus disse que se se der água fria a alguém em nome de profeta, receber-se-à galardão de Profeta.

Os israelitas foram levados cativos para a Síria e no meio dos cativos foi uma menina anónima a trabalhar na casa do capitão Naamâ, este era um homem cheio de qualidades, porém, leproso que se compadeceu do seu senhor e o tenta beneficiar de alguma forma e o meio usado por ela foi indicar o caminho da cura (a casa do profeta Eliseu), o profeta manda mergulhar sete vezes no rio Jordão, ao cabo disto, ele foi radicalmente curado. Não se ouviu falar mais nesta escrava, não se sabe o seu nome e nem sabemos por que a sua obra trouxe um resultado pessoal, familiar e nacional. A menina desaparece, mas a sua obra ficou. Um dos maiores pregadores do mundo moderno estava confinado num hospital desenganado pelos médicos quando recebeu a visita de uma anónima jovem que lhe evangelizou e no momento aceitou Jesus, este se transformou no pastor da maior igreja local do mundo, este pastor nunca mais viu esta jovem e nunca tomou conhecimento do seu nome. Jesus mandou-nos divulgar o Reino, ou seja, fazer obras e disse Ele que de modo algum riscará o nosso nome do Livro da Vida.

O nome é a identidade, a identidade, é o carácter. O carácter é, as obras, as obras são os frutos. Nisto podemos observar que pelos frutos de algumas pessoas, estes alteraram o seu nome. O nome de Esaú foi alterado para Edom por causa do seu mau fruto. O nome de Jacó foi alterado para Israel por causa do seu fruto. E assim por diante.

É por estas e por outras razões que vamos receber um novo nome, não por ser aplaudido na terra, mas por ser o próprio Jesus que te vai chamar pelo teu próprio nome para te galardoar. Em recompensa das tuas obras.

A Paz do Senhor Jesus!

Pastor Milton Novais

Topo